Compartilhar
Informação da revista
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Caso Clínico
DOI: 10.1016/j.abdp.2020.07.007
Open Access
Disponível online o 8 Agosto 2020
Fusariose disseminada em paciente com aplasia de medula
Visitas
...
Danielle Ferreira Chagas
Autor para correspondência
daaani__@hotmail.com

Autor para correspondência.
, Lucia Martins Diniz, Elton Almeida Lucas, Paulo Sergio Emerich Nogueira
Serviço de Dermatologia, Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil
Recebido 08 Outubro 2019. Aceitado 15 Dezembro 2019
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (6)
Mostrar maisMostrar menos
Resumo

Fusariose é infecção superficial ou sistêmica que ocorre principalmente em hospedeiros imunocomprometidos, sobretudo nos portadores de neoplasia hematológica. Em 70% a 75% dos casos, os pacientes apresentam manifestações cutâneas. A forma disseminada é infecção rara, de difícil suspeição diagnóstica, e mesmo com o tratamento específico a evolução costuma ser fatal. Atualmente, é considerada doença emergente e em alguns centros representa a segunda causa mais comum de micose invasiva, após a aspergilose. Descreve‐se caso de paciente do sexo feminino portadora de aplasia medular idiopática e fusariose disseminada, que inicialmente pareceu se beneficiar com o uso de voriconazol e anfotericina B, mas, devido à neutropenia persistente, sua condição clínica se deteriorou com evolução fatal.

Palavras‐chave:
Fusariose
Micoses
Neoplasias hematológicas
Neutropenia
Texto Completo
Introdução

A fusariose é doença oportunista, cosmopolita, causada por fungos filamentosos, hialinos do gênero Fusarium, amplamente distribuído na natureza como sapróbio do solo e das plantas1. Raramente acomete indivíduos imunocompetentes, mas, quando ocorre, a infecção geralmente permanece de maneira superficial, causa onicomicose e ceratite, relacionadas à inoculação direta2,3.

Nos imunocomprometidos, sobretudo nos portadores de neoplasia hematológica, em particular a leucemia mieloide aguda, e após transplante de medula óssea, o desenvolvimento de infecção fúngica invasiva está associado à mortalidade de 70%4. Nas infecções disseminadas, 80% dos pacientes desenvolvem lesões de pele e pode ser a única manifestação precoce da doença2,5.

A fusariose em sua forma disseminada é infecção rara, com incidência de 0,06% a 0,2% nos Estados Unidos e na Europa; em pacientes hematológicos, porém, representa complicação de alta morbimortalidade, devido ao aumento de sua incidência e tratamentos poucos efetivos3,6.

O estudo relata um caso de fusariose disseminada com acometimento cutâneo em paciente imunocomprometida devido à aplasia de medula.

Relato de caso

Paciente do sexo feminino, 29 anos, previamente hígida, internada em hospital terciário devido ao aparecimento súbito de petéquias nos membros inferiores havia dois meses, associado à febre de início recente. Na internação, foi diagnosticada com pancitopenia e neutropenia febril grave (neutrófilos abaixo de 100 células/mm3); foi iniciada antibioticoterapia de amplo espectro (meropenem e vancomicina).

Na investigação, foi feita biópsia de medula, cujo histopatológico evidenciou hipoplasia de medula das três linhagens hematopoiéticas, com apenas 5% de células. Além disso, foram solicitadas todas as sorologias, inclusive parvovírus B19; descartadas todas as hipóteses infecciosas, concluiu‐se por aplasia medular de etiologia idiopática.

A paciente mantinha quadro de febre persistente apesar da antibioticoterapia, porém sem crescimento bacteriano nas hemoculturas. Devido à instabilidade hemodinâmica, a paciente foi levada para a unidade de terapia intensiva e indicou‐se anfotericina B na dose de 5mg/kg/dia, em decorrência da neutropenia febril não responsiva à antibioticoterapia.

Após o sétimo dia de internação, a paciente apresentou uma mácula eritemato‐violácea, dolorosa, no membro superior esquerdo, que após uma semana evoluiu com necrose central (fig. 1). Foi feita biópsia da lesão, cujo histopatológico foi compatível com vasculite leucocitoclástica com presença de inúmeras hifas na parede dos vasos (fig. 2). Ao exame direto de material da lesão de pele, observaram‐se fungos filamentosos. A cultura em meio de Sabouraud com cloranfenicol do fragmento de pele e posterior microcultivo da colônia evidenciaram o crescimento de Fusarium spp. (figs. 3 e 4). Após os resultados desses exames, a anfotericina B foi associada ao voriconazol e a paciente inicialmente se beneficiou dessa associação.

Figura 1.

(A) Presença de mácula eritemato‐violácea no membro superior esquerdo. (B) Após uma semana, evolução da lesão para ulceração com centro necrótico e discreto eritema ao redor.

(0,28MB).
Figura 2.

Exame histopatológico de lesão do membro superior esquerdo, demonstra múltiplas hifas septadas, hialinas e ramificadas com invasão angiolinfática. (A, Hematoxilina & eosina, 10×; B, Grocott, 40×).

(0,13MB).
Figura 3.

(A) Cultura em meio de Saboraud com cloranfenicol de fragmento de pele: observa‐se colônia filamentosa pulverulenta branca; (B) reverso pigmentado de coloração lilás.

(0,15MB).
Figura 4.

(A) Exame direto da lesão cutânea evidencia grande número de fungos filamentosos; (B) microcultivo da colônia corado pelo lactofenol azul algodão, com macroconídios com morfologia, característica do tipo canoa.

(0,22MB).

O exame dermatológico evidenciou ainda paroníquia no segundo e terceiro quirodáctilos esquerdos e livedo reticular exuberante em todo o membro inferior que se estendia até o abdome (fig. 5).

Figura 5.

(A) Paroníquia no segundo e terceiro quirodáctilos esquerdos; (B) livedo reticular exuberante acometendo todo o membro inferior.

(0,09MB).

O exame de imagem dos seios da face revelou extenso velamento dos seios maxilares, frontais, esfenoidais e etmoidais e foi atribuído à sinusite invasiva (fig. 6). A equipe de otorrinolaringologia fez biópsia dos seios da face e exame direto da cavidade nasal. O tratamento cirúrgico por meio do desbridamento não foi possível devido à trombocitopenia persistente e angioinvasão das lesões. O histopatológico e o exame direto foram compatíveis com os mesmos achados da lesão cutânea. A paciente apresentava, ainda, extenso infiltrado pulmonar difuso bilateral condizente com pneumonia invasiva.

Figura 6.

(A) Tomografia de tórax apresenta padrão de consolidação parenquimatosa com broncogramas aéreos de permeio, notadamente na região posterior dos campos pulmonares (setas pretas). (B, C e D) Tomografia de seios da face evidencia velamento difuso dos seios paranasais, caracterizado por material com densidade de partes moles que preenche os seios maxilares (seta vermelha), esfenoidais (seta amarela), frontais (seta azul) e as células etmoidais (seta branca).

(0,43MB).

Durante todo o período de neutropenia, a paciente recebeu transfusões e fator estimulador de colônias granulocíticas, porém se manteve sem resposta medular. Após quatro semanas, evoluiu com choque séptico refratário e, apesar das medidas de suporte, veio a óbito 54 dias após a internação.

Discussão

A fusariose é a segunda infecção fúngica invasiva mais frequente em pacientes com neoplasias hematológicas e o Fusarium solani é a espécie mais comum, virulenta, resistente e de maior mortalidade em comparação às demais espécies, o que foi corroborado no caso apresentado6–8.

A infecção inicia‐se pela inalação de conídios ou pelo contato direto com materiais contaminados pelos esporos1,2. Os estudos descrevem que os casos disseminados geralmente são adquiridos por via inalatória com posterior disseminação para outros órgãos como rins, fígado, olhos, baço e cérebro1,8. No caso relatado, as lesões cutâneas precederam a sinusite e a pneumonia, sugeriram disseminação hematogênica de foco cutâneo. A infecção é classificada como disseminada quando dois ou mais órgãos são envolvidos, como no caso relatado, no qual a paciente apresentou sinusite e pneumonia, comprovadas por exame de imagem e presença de lesões cutâneas4.

A forma mais comum de apresentação é febre persistente não responsiva à antibioticoterapia de amplo espectro, em paciente neutropênico, como a paciente estudada. O envolvimento cutâneo típico mostra máculas ou pápulas eritemato‐violáceos dolorosas, cujo centro evolui para necrose, geralmente nas extremidades, todos os achados descritos no caso. Apresentava, ainda, ao exame dermatológico, livedo reticular em todo o membro inferior até o abdome, que ocorreu provavelmente por proliferação intravascular do fungo e levou à oclusão e à necrose da microvasculatura, embora os autores não tenham encontrado relato na literatura desse fenômeno5,8,9.

O diagnóstico necessita do isolamento de Fusarium spp5. No caso relatado, foram visualizadas hifas nos histopatológicos da pele e de seios da face, confirmado pelo crescimento dos fungos na cultura de amostras coletadas nesses sítios. Nos achados histopatológicos, os fungos caracteristicamente apresentam invasão angiolinfática, observam‐se hifas septadas, hialinas e ramificadas1. A identificação na cultura é importante para auxiliar na diferenciação da fusariose em relação a outras hialo‐hifomicoses. O gênero Fusarium é identificado na cultura pelos múltiplos macroconídios hialinos em forma de canoa6,7. No entanto, a identificação de espécies requer métodos moleculares7.

As infecções invasivas e generalizadas respondem mal à terapia antifúngica, em parte devido à resistência medicamentosa, mas principalmente devido à ausência de resposta efetiva do hospedeiro, o que levou ao desfecho desfavorável da paciente, que se manteve com neutropenia persistente. Portanto, o tratamento é baseado nos antifúngicos sistêmicos e na reversão do estado de imunossupressão. O tratamento ideal deve ser guiado pelo teste de sensibilidade antifúngica, disponível em poucos centros, por isso a maioria dos autores recomenda terapia combinada para os casos graves, com voriconazol e anfotericina B, esquema usado na paciente2,8,10.

A paciente apresentava neutropenia intensa relacionada à aplasia medular e os autores encontraram na literatura três casos de fusariose disseminada associada a essa doença hematológica, todos também com evolução fatal.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Danielle Ferreira Chagas: Concepção e planejamento do estudo; elaboração e redação do manuscrito; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura.

Lucia Martins Diniz: Aprovação da versão final do manuscrito; concepção e planejamento do estudo; obtenção, análise e interpretação dos dados; participação efetiva na orientação da pesquisa; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados; revisão crítica da literatura; revisão crítica do manuscrito.

Elton Almeida Lucas: Obtenção, análise e interpretação dos dados; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados.

Paulo Sergio Emerich Nogueira: Obtenção, análise e interpretação dos dados; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados.

Conflitos de interesse

Nenhum.

Referências
[1]
D. Ricna, M. Lengerova, M. Palackova, M. Hadrabova, I. Kocmanova, B. Weinbergerova, et al.
Disseminated fusariosis by Fusarium proliferatum in a patient with aplastic anaemia receiving primary posaconazole prophylaxis ? case report and review of the literature.
Mycoses., 59 (2016), pp. 48-55
[2]
E. Meriglier, M. Puyade, E. Cateau, N. Maillard.
Nodular skin lesions revealing fusariosis in a severe aplastic anemia patient.
Presse Med., 44 (2015), pp. 574-576
[3]
W.M. McCarthy, A. Katragkou, E. Iosifidis, E. Roilides, J.T. Walsh.
Recent advances in the treatment of scedosporiosis and fusariosis.
J Fungi (Basel)., 4 (2018),
[4]
M. Garnica, M.O. da Cunha, R. Portugal, A. Maiolino, A.L. Colombo, M. Nucci.
Risk factors for invasive Fusariosis in patients with acute myeloid leukemia and in hematopoietic cell transplant recipients.
Clin Infect Dis., 60 (2015), pp. 875-880
[5]
M. Nucci, M. Garnica, A.B. Gloria, D.S. Lehugeur, V.C.H. Dias, L.C. Palma, et al.
Invasive fungal diseases in haematopoietic cell transplant recipients and in patients with acute myeloid leukaemia or myelodysplasia in Brazil.
Clin Microbiol Infect., 19 (2013), pp. 745-751
[6]
J.M. Stempel, S.P. Hammond, D.A. Sutton, L.M. Weiser, F.M. Marty.
Invasive fusariosis in the voriconazole era: single‐center 13‐year experience.
Open Forum Infect Dis., 2 (2015),
[7]
M. Delia, R. Monno, G. Giannelli, A.A. Ianora, L. Dalfino, D. Pastore, et al.
Fusariosis in a patient with acute myeloid leukemia: a case report and review of the literature.
Mycopathologia., 181 (2016), pp. 457-463
[8]
M. Mardani, R. Khodashahi, E. Lotfali, S. Abolghasemi, M. Hakemi-vala.
Disseminated fusariosis with ecthyma gangrenosum‐like lesions in a refractory acute myeloid leukemia patient.
Curr Med Mycol., 5 (2019), pp. 27-31
[9]
J.C. García-Ruiz, I. Olazábal, R.M. Adán Pedroso, L. López-Soria, V. Velasco-Benito, J.A. Sánchez-Aparicio, et al.
Disseminated fusariosis and hematologic malignancies, a still devastatin gassociation: Report of three new cases.
Rev Iberoam Micol., 32 (2015), pp. 190-196
[10]
P.F. Herkert, A.M.S. Al-Hatmi, G.L. de Oliveira Salgado, M.D. Muro, R.L. Pinheiro, M. Nucci, et al.
Molecular characterization and antifungal susceptibility of clinical Fusarium Species from Brazil.
Front Microbiol., 10 (2019), pp. 737

Como citar este artigo: Chagas DF, Diniz LM, Lucas EA, Nogueira PSE. Disseminated fusariosis in a patient with bone marrow aplasia. An Bras Dermatol. 2020; https://doi.org/10.1016/j.abd.2019.12.008.

Trabalho realizado no Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.