Compartilhar
Informação da revista
Vol. 95. Núm. 4.
Páginas 538-540 (01 Julho 2020)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 95. Núm. 4.
Páginas 538-540 (01 Julho 2020)
Carta – Caso clínico
DOI: 10.1016/j.abdp.2020.05.013
Open Access
Apresentação rara da síndrome de Rothmund‐Thomson com novas mutações heterozigóticas compostas do gene RECQL4
Visitas
...
Xinyue Zhang, Songmei Geng
Autor para correspondência
gsm312@yahoo.com

Autor para correspondência.
, Yi Zheng
Departamento de Dermatologia, Second Affiliated Hospital, Xi’An Jiaotong University, Shaanxi, China
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (2)
Texto Completo
Prezado Editor,
NOTICE Undefined index: cita (includes_ws_v2/librerias/html/item.php[402])
NOTICE Undefined index: cita (includes_ws_v2/librerias/html/item.php[402])

A síndrome de Rothmund‐Thomson (SRT) é distúrbio autossômico recessivo raro, caracterizado por lesão facial (poiquilodermia é característica diagnóstica importante), retardo de crescimento, cabelo/cílios/sobrancelhas esparsos, cataratas juvenis, anormalidades esqueléticas, defeitos ósseos do antebraço ou mão e uma predisposição ao câncer. Existem duas formas clínicas: o tipo I, caracterizado por poiquilodermia, displasia ectodérmica e catarata juvenil de etiologia desconhecida, e o tipo II, caracterizado por poiquilodermia, defeitos ósseos congênitos, maior frequência de neoplasias malignas (principalmente osteossarcoma) e mutação no gene RECQL4 (8q24.3).1 Até o momento, foram relatados cerca de 400 casos.

Os autores relatam caso de poiquilodermia e retardo de crescimento em uma menina chinesa com duas mutações RECQL4 em um novo arranjo heterozigótico composto (c.2492_2493del e c.1391‐2A>C) registrado por triagem mutacional, o primeiro relato em SRT.

A paciente é menina de 2 anos com poiquilodermia bilateral na face e orelhas. Os pais relataram que a criança apresentava eritema, edema e formação de bolhas na face bilateralmente desde os 6 meses, que gradualmente evoluíram para hipo‐ e hiperpigmentação reticulada. A paciente também apresentou afinamento das sobrancelhas, fotossensibilidade e problemas gastrintestinais, inclusive vômitos ou diarreia crônica. Nenhum dos pais ou a irmã de 5 anos apresentou os mesmos sintomas. A paciente nasceu a termo, com leve anormalidade nos dedos dos pés. No entanto, ganho de peso lento, baixa estatura e retardo dentário foram observados no exame físico. O exame dermatológico encontrou despigmentação, hiperpigmentação, atrofia puntiforme e telangiectasia bilateralmente na face e nas orelhas (fig. 1). Quando a paciente tinha um ano, sua densidade mineral óssea foi avaliada e considerada baixa. Capacidade cognitiva, testes oftalmológicos e outros resultados de exames estavam dentro dos limites normais e nenhuma outra alteração foi encontrada.

Figura 1.

Poiquilodermia em paciente com RTS. Despigmentação, hiperpigmentação, atrofia puntiforme, telangiectasia e perda de sobrancelhas observadas bilateralmente na face.

(0,29MB).

Para o diagnóstico molecular diferencial de poiquiloderma, foi feito o sequenciamento de exoma direcionado. A triagem mutacional para BLM, o gene defeituoso na síndrome de Bloom e em outras doenças relacionadas à poiquilodermia, foi negativa. O sequenciamento genético revelou duas mutações heterozigóticas no gene RECQL4 (fig. 2). Uma delas é uma mutação localizada no éxon 9, que consiste na alteração de uma adenina por uma citosina (c.1391‐2A>C), que também foi observada no pai e na irmã, ambos não afetados. Essa mutação não foi relatada, mas deve-se assumir um possível efeito sobre a proteína por meio de uma variante aceitadora de splicing. No outro alelo, a mutação foi uma deleção de dois nucleotídeos encontrados no éxon 16 (c.2492_2493delAT) que produz um deslocamento de quadro (p.His831Argfs); essa mutação é rara e foi mais recentemente avaliada por Kitao et al.2 Essa mutação foi observada na mãe, não afetada. Essas duas mutações, respectivamente, são de origem materna e paterna e foram denominadas mutações heterozigóticas compostas de acordo com a lei de herança autossômica recessiva. Sua irmã apresenta apenas c.1391‐2A>C, uma mutação heterozigótica, e teoricamente não apresentará sintoma.

Figura 2.

Duas novas variantes heterozigóticas no gene RECQL4 confirmadas por sequenciamento genético. Uma estava no local do splicing, c.1391‐2A> C, proveniente do pai e também observada na irmã. A outra era uma mutação de exclusão, c.2492_2493delAT (p.His831Argfs), proveniente da mãe.

(0,25MB).

A paciente tem sinais clínicos como poiquilodermia, sobrancelhas esparsas, baixa estatura, anormalidade dentária e anormalidade esquelética leve, como descrito na literatura.3,4 Até o momento, a paciente não apresenta catarata ou neoplasia. Ao contrário de outros casos relatados na literatura, a lesão não afeta suas extremidades e os autores consideram que a paciente é jovem demais para mostrar todos os sintomas. A SRT foi diagnosticada de acordo com a lesão e a mutação típica do gene RECQL4; aconselhou‐se evitar a exposição solar e fazer exames anuais para olhos, pele e ossos.

As novas mutações heterozigóticas compostas do RECQL4 apresentadas por essa paciente são as primeiras relatadas na SRT. A perda da função da proteína RECQL4 foi observada em aproximadamente dois terços dos pacientes com SRT e está associada ao risco de osteossarcoma.5 São necessários mais estudos funcionais para confirmar o efeito prejudicial às proteínas. A poiquilodermia é manifestação de muitas doenças sistêmicas, como lúpus eritematoso, síndrome de Bloom, síndrome de Kindler e disqueratose congênita. O resultado do teste genético é importante para um diagnóstico definitivo e orientação quanto à futura procriação para a família dos pacientes.

Suporte financeiro

Nenhum.

Contribuição dos autores

Xinyue Zhang: Elaboração e redação do manuscrito.

Songmei Geng: Aprovação da versão final do manuscrito; participação intelectual em conduta propedêutica e/ou terapêutica de casos estudados.

Yi Zheng: Revisão crítica da literatura.

Conflitos de interesse

Nenhum.

Referências
[1]
L. Larizza, G. Roversi, L. Volpi.
Rothmund‐Thomson syndrome.
Orphanet J Rare Dis., 5 (2010), pp. 2
[2]
M.C. van Rij, M.L. Grijsen, N.M. Appelman-Dijkstra, K.B. Hansson, C.A. Ruivenkamp, K. Mulder, et al.
Rothmund‐Thomson syndrome and osteoma cutis in a patient previously diagnosed as COPS syndrome.
Eur J Pediatr., 176 (2017), pp. 279-283
[3]
L. Larizza, G. Roversi, A. Verloes.
Clinical utility gene card for: Rothmund‐Thomson syndrome.
Eur J Hum Genet., 21 (2013), pp. 7
[4]
J.Y. Yang, Y.B. Sohn, J.S. Lee, J.H. Jang, E.S. Lee.
Rare presentation of Rothmund‐Thomson syndrome with predominantly cutaneous findings.
JAAD Case Rep., 3 (2017), pp. 172-174
[5]
H.A. Siitonen, J. Sotkasiira, M. Biervliet, A. Benmansour, Y. Capri, V. Cormier-Daire, et al.
The mutation spectrum in RECQL4 diseases.
Eur J Hum Genet., 17 (2009), pp. 151-158

Como citar este artigo: Zhang X, Geng S, Zheng Y. Rare presentation of Rothmund‐Thomson syndrome with novel compound heterozygous mutations of the RECQL4 gene. An Bras Dermatol. 2020;95:538–40.

Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia, Second Affiliated Hospital, Xi’An Jiaotong University, Shaanxi, China.

Copyright © 2020. Sociedade Brasileira de Dermatologia
Idiomas
Anais Brasileiros de Dermatologia (Portuguese)

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.